11 de jul de 2016

Nós precisamos de paz

Paz. Palavra simplória. Palavra escanteada pelo subjetivismo desconsertante. 

O que é paz? Talvez a resposta varie muito conforme quem irá responder. Mas uma coisa é certa: todos concordamos sobre sua importância, variando, é claro, o quanto.

E o quanto você preza pela paz? Não estou falando de acabar com as guerras no Oriente Médio, restabelecer a ordem na Síria, exterminar o Estado Islâmico ou controlar as centenas de milhares de pessoas assassinadas friamente no mundo. 

Estou tratando do estado íntimo e individual de cada um de nós. Estado de espírito, estado de consciência, como queira dizer: é aí que a paz faz toda a diferença. 

Quem não tem paz - quem não vive EM paz -, vive mal. Vive perturbado por si mesmo. Pode ser pobre, rico, religioso, ateu, socialista, anarcocapitalista, índio, branco... 

Se você não possui a paz consigo, faça o que faça, estará infeliz. Nada será suficiente. Nada será o bastante a longo prazo. 

Eis porque, penso eu, buscamos vícios e mais vícios. Porque estamos buscando algo que nos contente, que nos preencha a existência. Ah! Ignorância. Ainda somos crianças espirituais... 

Não vamos encontrar a felicidade, a plenitude da vida, em nada que esteja fora de nós mesmos. Clichê, você pode pensar. Se é clichê, é porque já nos disseram inúmeras vezes e, em todas, fechamos os ouvidos.

Ok, ok. Nós precisamos de paz. Mas como conquistá-la? Não se compra no supermercado, não se acorda magicamente com ela. Como, então?

Estar em paz é estar com Deus. Estar em paz é estar em paz com Deus. Com a sua própria consciência, pois você é um só com Ele. Você é perfeito, como um diamante sendo lapidado. Você é Deus.










Nenhum comentário:

Postar um comentário